domingo, 25 de janeiro de 2009


Aconteceu outra vez. Ontem apanhei mais um taxista racista. "Os pretos são todos burros", dizia o senhor. "Desculpe, mas não é assim", respondi. "Você conhece algum preto que não seja burro?", perguntou o senhor, que pelos vistos deveria ter sido laureado com o Prémio Nobel da Ciência e, com mais uma forcinha, também tinha levado o Nobel da Paz. "Conheço", respondi eu, "e também conheço brancos bastantes estúpidos" (como tu, que se fosses inteligente tinhas percebido a dica e calavas-te). Mas não. Continuou: "um branco nunca é burro. Pode é, às vezes, nascer de pernas para o ar". Entretanto, um carro passa por nós, na tentativa de fugir à camioneta do lixo, mas a única coisa que consegue é complicar ainda mais o pequeno caos que já se tinha criado ali no Largo da Graça. "Está a ver isto, menina?!". "E é branco!", comentei eu. E era mesmo branco, quase anémico, de barbicha preta e óculos. "É escarumba! Não vê que ele é meio escarumba! Eles são todos burros. Já viu algum a ocupar um cargo importante?". "Já", disse, na esperança que a luminária se lembrasse que, ainda esta semana, Barack Obama tinha tomado posse como Presidente dos E.U.A., mas ele não deve ter visto porque estava muito ocupado a descobrir a cura para o cancro ou nalguma cimeira da ONU.

Quando estávamos a descer a rua de minha casa, enquanto ele contava como "um preto com um carro igual ao dele tinha tido a lata de se picar com ele", numa competição automobilística inter-racial, decidi que seria divertido mostrar-lhe o verdadeiro parvalhão que ele era. Já depois de lhe pagar, disse: "Sabe, o senhor tem que ter mais cuidado com os comentários que faz porque nunca sabe quem leva cá atrás. É que pode não parecer, mas eu sou filha de um escarumba (apesar de ser bastante "claro" que sou filha de um frigorífico e de uma máquina de lavar roupa)". O homem mudou de cor (no pun intended) e desculpou-se, sem pedir desculpa, dizendo que se o termo escarumba não era para ofender. "Pois não, é um termo carinhoso, assim como todos os outros comentários que o senhor fez durante a viagem" e saí do carro, para entrar um grupo de amigos negros que, para lhe darem dinheiro a ganhar, já preenchiam todos os requisitos.

3 comentários:

ZEP disse...

dá-lhe manana!!!!

Lek disse...

Pá, gosto dos teus taxistas... pronto, gosto!

Jose Price-Castico disse...

ai nao da para parar no posto da Policia e reporta-lo como racista e nao pagar a conta?...ai eh que ele ficava fedido! ;)

Arquivo do blogue