terça-feira, 4 de novembro de 2008

Festival de Curtas Metragens do Diário de Manana - Parte 2

Desta vez, temos a história de dois animais que querem à força ensinar um cão a falar. "Olha, diz que a minha Lásse fala". O cão, com o ar mais entediado que um canídeo consegue fazer, lá vai reproduzindo os sons. Reproduzindo os sons!!! Porque se este cão falasse mesmo, diria: "eh pá, vão se %&$#@, não me chateiem" e se as suas patinhas tivessem dedinhos articulados, ele faria acompanhar a frase de um gesto obsceno.

Se eu tivesse um cão e se esse cão falasse, ele diria coisas como "importa-se que faça as minhas necessidades no pneu de seu carro?", "por favor, prefiro ração light" e "eu mordo". É claro que, se alguém tentasse atirar-lhe uma bolinha, ele reviraria os olhos e diria "b*tch, please!". Mas a minha mãe nunca me quis dar um cão.

1 comentário:

Mamãe disse...

Depois de ter tomado conta de ti, de uma tartaruga miniatura e de um casal de periquitos que imitavam o secador da roupa, não me ia pôr a jeito para passear o cão e para o deixar na arca frigorífica cada vez que tinha que viajar! Também não sabia que "A Minha Agenda " não era uma agenda que fosse tua!
Mas para resolver tudo isso, há já alguns anos que acabaste a tua psicoterapia que não é tratamento para gente doisa, mas coisa chiquérrima, típica de uma estrela, de gente rica ou de miolo avançado!

Arquivo do blogue